Direkt zum Inhalt | Direkt zur Navigation

Página Inicial

Startseite Arquivo de notícias Seminário impulsiona mobilização nas Américas para desagregação de dados por raça e etnia
Artikelaktionen

Seminário impulsiona mobilização nas Américas para desagregação de dados por raça e etnia

Representantes de doze países das américas do Sul e Central participaram do evento, que aconteceu nos dias 23 e 24 de junho em Brasília.

Da Unifem


Aconteceu na última semana (dias 23 e 24 de junho) o Seminário Internacional de Dados Desagregados por Raça e Etnia da População Afrodescendente das Américas, em Brasília. Promovido pelo governo brasileiro com apoio das Nações Unidas, o evento constituiu um grupo de especialistas em estatística e ativistas sociais para monitoramento da Rodada de Censos que acontecerá de 2010 a 2012 nas Américas.

Doze países participaram do encontro: Brasil, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Espanha, Estados Unidos, Guatemala, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

Na inauguração do seminário, a vice-diretora do UNIFEM (Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher) Brasil e Cone Sul, Júnia Puglia, recuperou o processo de articulação para o enfrentamento do racismo, como a III Conferência Mundial contra o Racismo, as conferências regionais nas Américas e a Conferência de Revisão de Durban, realizada em abril deste ano. "Séculos de discriminação e racismo não se resolvem em uma ou duas gerações", disse ela ao enfatizar que "não há argumentos para que não se inclua dados desagregados por raça e etnia nos censos nacionais".

Júnia Puglia destacou a gestão do UNIFEM para garantir espaços para as mulheres negras e indígenas, como na mesa técnica do IX Encontro Internacional de Estatísticas de Gênero e a constituição de um Grupo de Trabalho de Estatística para Povos Indígenas e Afrodescendentes na Conferência de Estatística da Cepal (Comissão Econômica para América Latina e Caribe). O próximo passo, ressaltou a vice-diretora, será a "criação de uma unidade especializada na Divisão de População da Cepal".

Em resposta à proposta da Declaração de Santiago, de novembro de 2008, Carlos Henrique Mussi considerou que uma Unidade de Assuntos Afrodescendentes na Cepal será resultado de "um processo de convencimento e monitoramento". Representando a Ceapl no Brasil, Mussi enfatizou a necessidade de aperfeiçoamento das bases de coleta de dados com recorte de raça e etnia nas Américas. "Há interesse da Cepal em acompanhar como a rodada dos censos de 2010 vai incluir esses dados", afirmou.


Mobilização para dados desagregados

Para Agostin Espinoza, da Segib (Secretaria Geral Iberoamericana), a desagregação de dados por raça e etnia é um tema de grande importância nas Américas. "Em outubro, vamos promover um seminário em Salvador sobre políticas públicas nos países iberoamericanos para igualdade racial, étnica e de gênero e teremos um painel sobre indicadores sociais e estatísticas".

Durante a sua exposição, o ministro Edson Santos, da Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial), reiterou que a melhoria das bases para coleta de dados sobre raça e etnia vai gerar "um retrato real da população brasileira" e será determinante "para fazer políticas públicas de interesse do povo brasileiro".

Participaram também da abertura do seminário a subsecretária de Planejamento da SPM (Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres), Lourdes Bandeira; a conselheira do Ministério das Relações Exteriores, Márcia Adorno; o diretor do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), Mário Theodoro; e o presidente da Fundação Cultural Palmares, Zulu Araújo.

O Seminário Internacional de Dados Desagregados por Raça e Etnia da População Afrodescendente das Américas foi promovido pela Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial) em parceria com IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), IPC-IG (Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo), e MRE (Ministério das Relações Exteriores); com o apoio do UNIFEM (Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher) Brasil e Cone Sul, PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) e UNFPA (Fundo de População das Nações Unidas).