Direkt zum Inhalt | Direkt zur Navigation

Página Inicial

Startseite Arquivo de notícias Realizada Reunião de Pactuação do Observatório
Artikelaktionen

Realizada Reunião de Pactuação do Observatório

“A existência desse Observatório é importante para a sociedade e para o governo federal, porque é uma ferramenta que visa à formulação e o aperfeiçoamento de políticas públicas voltadas para a realidade das mulheres no Brasil”, declara a Ministra Nilcéa Freire.

Realizada Reunião de Pactuação do Observatório

teste

Foi realizada, nos dias 9 e 10 de fevereiro, em Brasília, a reunião de pactuação do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero, entre a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM) e instituições governamentais, não-governamentais, universidades, agências internacionais e representantes da sociedade civil.

Em sua fala de abertura, a ministra Nilcéa Freire, da SPM, explicou que a iniciativa de lançar um Observatório no Brasil surgiu a partir da criação de um Observatório de Gênero para América Latina e Caribe, no âmbito da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (CEPAL) como estratégia de disseminação de informações acerca das desigualdades de gênero e dos direitos das mulheres.  Ao destacar a importância das parcerias, a ministra lembrou que “o Observatório vai se alimentar daquilo que já foi produzido e do que vem sendo produzido pelas diferentes instituições da sociedade civil, órgãos do governo, agências internacionais, universidades, entre outras”.

Segundo Nilcéa Freire, ele só será útil se tiver legitimidade política frente à sociedade brasileira. “A existência desse Observatório é importante para a sociedade e para o governo federal, porque é uma ferramenta que visa à formulação e o aperfeiçoamento de políticas públicas voltadas para a realidade das mulheres no Brasil”, disse. 

Durante a reunião, os Grupos de Trabalho reuniram-se para definir frentes de trabalho e dar início aos trabalhos do Observatório.

A reunião de pactuação contou com a participação de representantes da SPM, de universidades, do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM), de coordenadorias das mulheres estaduais e municipais, Organização Internacional do Trabalho (OIT), Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (UNIFEM), de organizações de controle da mídia e de movimento social de mulheres.