Direkt zum Inhalt | Direkt zur Navigation

Página Inicial

Startseite Arquivo de notícias Levantamento aponta queda no número de abortos legais realizados no país
Artikelaktionen

Levantamento aponta queda no número de abortos legais realizados no país

10.02.2010 - O levantamento, feito pelo Ministério da Saúde, mostra que o número de abortos com autorização judicial realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) caiu 42% entre 2008 e 2009

A quantidade de abortos com autorização legal realizados no Brasil entre os anos de 2008 e 2009 caiu 42%, de acordo com levantamento realizado pelo Ministério da Saúde. Na visão do próprio Ministério, este número vem diminuindo desde 2005 por conta do aumento da distribuição de contraceptivos, com destaque para a pílula do dia seguinte. Foram distribuídas cerca de 152 mil cartelas gratuitas do contraceptivo de emergência no ano passado, um aumento de 508% em relação ao ano anterior.

Thaís Lapa, integrante da CCR - Comissão de Cidadania e Reprodução, em entrevista concedida ao Correio Brasiliense, pondera a análise do Ministério da Saúde, afirmando que o dado que mostra a queda no número de abortos deveria ser melhor estudado. De acordo com Thaís, existe a possibilidade de que a redução do número de abortos esteja relacionada à falta de hospitais que realizem o procedimento de interupção da gravidez nas situações previstas em lei. São apenas 60 os hospitais credenciados pelo governo para a realização do procedimento abortivo legal. Thaís afirma ainda que houve um aumento no número de curetagens feitas nos postos de atendimento público, o que pode indicar um aumento de tentativas de aborto. Entre 2008 e 2009 esse aumento foi de 37%.

Além da falta de hospitais credenciados para realizar o procedimento, outras questões devem ser ponderadas na análise dos números que apontam queda na realização de abortos legais no país, como a morosidade da justiça em conceder a autorização necessária para que o direito das mulheres seja respeitado, e a resistência de alguns profissionais em realizar o procedimento mesmo quando a gestante possui autorização judicial e procura um hospital credenciado.

O aborto legal no Brasil

Atualmente, no país, o aborto é permitido em casos de gravidez decorrente de estupro e em casos de risco de morte materna. O Código Penal Brasileiro de 1940, em vigor até hoje, diz que o aborto resultante de um ato de violência sexual não deve ser punido. No entanto, apenas no ano de 1989 foram criadas condições para a operacionalização da lei, com a criação do primeiro serviço de aborto legal em um hospital público.

No âmbito executivo, a Resolução 258/1997 determinou que o atendimento em casos de aborto legal fosse regulamentado pelo Ministério da Saúde, por meio do SUS. E já em 1999, a Norma Técnica para Prevenção e Tratamento dos Agravos Resultantes da Violência Sexual contra Mulheres e Adolescentes foi publicada, passando a orientar os serviços de atendimento às vítimas de violência e o aborto legal.

No ano de 2005, o Ministério da Saúde lançou a Norma Técnica para Atenção Humanizada ao Abortamento e reeditou e ampliou a Norma Técnica para Prevenção e Tratamento dos Agravos Resultantes de Violência Sexual contra Mulheres e Adolescentes. Esta última prevê a dispensa da apresentação do Boletim de Ocorrência para a realização do aborto em casos de violência sexual. Tais Normas afirmam que os serviços de saúde pública do país devem oferecer o abortamento legal e seguro às mulheres que possuem esse direito, estando ele assegurado pela Constituição Federal, pelas Normas Técnicas e Tratados Internacionais de Direitos Humanos.

Apesar da regulamentação, o número de serviços de saúde capacitados a realizar o procedimento de interrupção da gravidez é insuficiente, e mesmo nos lugares em que há serviços disponíveis muitas mulheres encontram obstáculos para realizar o aborto.

De acordo com Fernanda Westphal, em trabalho que trata dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, uma grande dificuldade na implantação desses serviços tem sido a de identificar profissionais disponíveis e dispostos a realizar o procedimento do aborto previsto em lei. Alguns deles são influenciados por questões morais e religiosas, sem atentar para os direitos reprodutivos e demais questões sociais. Alguns profissionais temem ainda ser julgados por terceiros ao realizar o procedimento e alegam a objeção de consciência nos casos de aborto permitido por lei. Outro obstáculo diz respeito ao fato de que muitos serviços de saúde capacitados exigem boletim de ocorrência para fazer o atendimento, sendo que alguns hospitais demandam laudo do Instituto Médico Legal.

 

Confira alguns artigos sobre o assunto:

 

Profissionais de saúde frente ao aborto legal no Brasil: desafios, conflitos e significados

Conquistas e desafios no atendimento das mulheres que sofreram violência sexual

Reflexões acerca do acesso ao aborto legal no Brasil: Os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres versus o direito de objeção de consciência dos médicos que prestam serviços pelo Sistema Único de Saúde – SUS